24/06/2017

* 2017 - 24 Dia Internacional da Ufologia

O TRABALHO DO UFÓLOGO
Ufólogo é o termo erroneamente dado à todo aquele que realiza atividades na área ufológica. Logos, em grego, quer dizer estudo. Assim ufólogo, deveria ser todo aquele que estuda ou pesquisa os OVNIs. A maioria dos ufólogos já teve alguma experiência anterior com o fenômeno. Muitos deles, mesmo sem o perceberem, possivelmente já foram até abduzidos.
A mídia, principalmente a norte-americana, criou uma falsa imagem sobre os ufólogos. É fácil encontrar pessoas que acham que ufólogos são um grupo de malucos que se reúnem para verem naves no alto da montanha. Ou pessoas munidas de muitas parafernálias estranhas caçando discos voadores e coisas afins. A realidade é muito diferente.
O ufólogo deve deve ser uma pessoa comprometida com a verdade, que busca fatos concretos por trás de um fenômeno. Deve procurar ser alguém com os "pés no chão", com o máximo de conhecimentos técnicos e científicos que puder adquirir em áreas distintas. Deve ser principalmente cauteloso em suas afirmações, pois estas podem trazer graves conseqüências. Deve ser alguém com coragem suficiente para buscar o desconhecido, enfrentar desaforos ou brincadeiras infantis. Deve ser alguém que não desanime ao ouvir comentários e gozações sobre suas idéias, e que não desista quando atiçarem cães sobre sua pessoa ou quando chovam canivetes.
Todas as áreas do conhecimento humano trazem contribuições à pesquisa ufológica. Conhecimentos astronômicos, meteorológicos, geológicos, topográficos e psicológicos, entre outros são extremamente úteis aos ufólogos. Portanto, bom pesquisador ufológico não deve apenas estudar exclusivamente Ufologia, mas também todas as áreas do conhecimento humano e aplicá-las à pesquisa ufológica.
Muitas vezes o cansaço e o desanimo vêm a tona, pois não é fácil pesquisar o insólito e o desconhecido, como não o foi para Copérnico, Galileu, Leonardo Da vinci e muitos outros. Lembre-se que você é o pioneiro. A ufologia tem apenas 55 anos, é muito nova e muito ainda há para ser estudado e muito mais para ser descoberto.
O trabalho em grupo é recomendável visto que em equipe o trabalho fica mais fácil e menos oneroso. Também é mais prazeroso dividir suas descobertas entre os seus ou publica-las em boletins específicos para esse fim.
EQUIPE CIPEX
Read more: http://ceu-centrodeestudosufologicos.blogspot.com
http://ceu-centrodeestudosufologicos.blogspot.com.br/2014/06/24-de-junho-dia-mundial-da-ufologia.html

* 2017 - Dia da Aviação de Reconhecimento

A conquista das cotas mais elevadas do terreno sempre foi objeto de desejo dos comandantes ao longo da história militar. Além de proporcionarem claras vantagens táticas e até estratégicas, dependendo do contexto, o domínio das elevações propiciava aos exércitos ampliarem sua visão acerca do inimigo, o que possibilitava elaborar planejamentos mais precisos, além de proteger as tropas contra eventuais ataques. Entretanto, durante a guerra do Paraguai, devido às características planas da topografia do teatro de operações, as forças da tríplice aliança recorriam apenas aos mangrulhos, que nada mais eram do que postos de vigilância artificiais, no formato de torres, para proporcionar um maior alcance de observação das forças inimigas. Mesmo com a utilização dos mangrulhos, nossa capacidade de reconhecimento era extremamente limitada. Isto foi um dos principais fatores que levaram as divisões do comando aliado a sofrerem uma humilhante derrota em Curupaiti, levando os aliados a pagarem um altíssimo preço em vidas humanas. Após essa retumbante derrota, o governo brasileiro atribuiu o comando das operações para Luís Alves de Lima e Silva, o então Marquês de Caxias, que, tão logo assumiu o cargo, procurou sanar uma série de deficiências de nosso exército e, dentre elas, a capacidade de realizar missões reconhecimento.
Caxias recorreu ao que havia de mais moderno à época e adquiriu dois balões dos EUA que realizaram ao todo 20 missões de reconhecimento, sendo o primeiro voo executado em 24 de junho de 1867, data escolhida para comemorar o dia da aviação de reconhecimento. As missões realizadas pelos balões de Caxias possibilitaram que os aliados estudassem as melhores vias de acesso para Tuiuti e Tuyu-cuê. Foram estes aeronautas que descobriram as linhas de trincheiras contínuas entre Tuiuti e Humaitá e, ainda, retificaram nossas cartas topográficas da área de litígio, além de monitorarem, constantemente, as intenções da cavalaria inimiga. Dessa forma, os reconhecimentos permitiram a Caxias atacar, com sucesso, Humaitá e desbordar Curupaiti, sendo seus feitos imortalizados na força aérea brasileira através do leão vermelho presente na heráldica do 1º/10º GAV, cuja origem remonta o brasão do duque de Caxias. Fiel às lições do passado, mas de olho nas demandas da moderna guerra aérea, o comando da aeronáutica realizou, nos últimos anos, vultosos investimentos no intuito de adquirir modernos sensores de reconhecimento com o fito de alimentar, diuturnamente, nosso vital ciclo de comando e controle, fornecendo informações precisas, de modo a auxiliarem a tomada de decisões, seja de uma força aérea componente ou de um comando conjunto. Assim, a aquisição do pod Reccelite elevou ao estado da arte a capacidade do esquadrão poker de cumprir missões em ambientes hostis, possibilitando que as equipagens de RA-1 atuem no teatro de operações, realizando reconhecimento tático de altíssima resolução e de modo “stand off”, ou seja, fora do alcance das defesas inimigas. No 1º/6º GAV, a substituição das antigas câmeras analógicas pelo sistema aerofotogramétrico digital ADS-80 representou um salto qualitativo em termos de agilidade no processamento de imagens, além da superioridade de resolução do sensor, que, aliada à implantação do equipamento DR-3000 nos R-35AM, inseriu o esquadrão carcará no seleto grupo de unidades com capacidade de realizar missões de inteligência de sinais.
O programa de modernização dos R-99 do 2º/6º GAV possibilitará a manutenção de nossa capacidade de realizar reconhecimentos de cunho estratégico, através da utilização do radar de abertura sintética (SAR), pois, além de possibilitar a realização de sensoriamentos a grandes distâncias, este sensor não sofre influências de coberturas de nuvens. Dessa maneira, o esquadrão guardião tornou-se o mais qualificado para vigiar nossas riquezas da Amazônia, devido sua grande autonomia e gama de sensores. A recente criação do 1º/12º GAV e a sedimentação da doutrina de operação das aeronaves remotamente pilotadas (ARP) revelaram novas perspectivas e capacidades para a aviação de reconhecimento. O profissionalismo de nossos militares e a flexibilidade de nossa doutrina de emprego possibilitaram que, em menos de um mês, a nova aeronave remotamente pilotada, Hermes 900, fosse recebida e posta em operação, sendo seu sofisticado sensor embarcado Skyeye empregado em missões reais em prol da segurança da copa do mundo FIFA 2014.
Portanto, é com muito orgulho que, neste dia 24 de junho, a força aérea brasileira parabeniza e presta sua homenagem aos seus pilotos, técnicos de informações de reconhecimento, fotointérpretes, mecânicos e pessoal de apoio que compõem nossas unidades de reconhecimento e, também, àqueles que um dia escreveram a história da gloriosa aviação de reconhecimento. A Força Aérea Brasileira confiou o que há de mais moderno aos seus homens e mulheres, para que possam cumprir com êxito sua missão, pois sabemos que vocês serão os primeiros e os últimos no campo de batalha e, lembrem sempre, que a nação entregou-lhes a nobre tarefa de serem: “da pátria os olhos, na guerra e na paz”.

Ten Brig Ar Nivaldo Luiz Rossato - Comandante-Geral de Operações Aéreas
http://www.aereo.jor.br/2014/06/24/dia-da-aviacao-de-reconhecimento-24-de-junho/
Related Posts with Thumbnails